Dengue domina discussões no Seminário da Saúde

A preocupação com a chegada do verão, que registra a falta d’água em muitos municípios exigindo que a população lance mão de reservatórios de água que acabam se transformando em ponto de desova do mosquito transmissor da dengue, bem como a possibilidade de chover em áreas onde os ovos do mosquito Aedes Aegypti estão adormecidos e ganham condições de desenvolvimento, ocupou boa parte do Seminário da Saúde realizado hoje, dia 30, no Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf). O evento buscou, além de traçar metas do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (Cesau) para 2013, debater formas de ação coordenada de fiscalização de unidades que prestam serviço público de saúde.
Promovido pelo Cesau e Ceaf, o seminário foi aberto pelo chefe de gabinete do MP, promotor de Justiça Márcio Fahel, que teve atuação profícua no município de Itabuna, segundo município depois de Salvador a registrar a incidência de dengue, tendo acontecido uma epidemia preocupante em 2009. Também foi em Itabuna que teve origem o programa “O MP e os Objetivos do Milênio” que já conta com a adesão de 42 municípios e vem buscando a melhoria da educação e da saúde com a parceria da sociedade civil. No seminário, além de vários parceiros ligados à área da saúde, estavam promotores de Justiça do interior do Estado que ouviram atentos a explanação da superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde (Suvisa), Alcina Andrade, que se preocupa com a dificuldade de controle da doença, possível apenas com a participação de todos.
Márcio Fahel participou dos primeiros momentos do programa “MP e os Objetivos do Milênio” bem como a colega Maria Pilar Maquieira, que hoje coordena o Centro de Apoio Operacional de Defesa da Educação (Ceduc), ao lado do idealizador Clodoaldo Anunciação. Dizendo ter uma satisfação pessoal com o tema, importante principalmente no que se refere ao combate à dengue, ele fez questão de tecer elogios ao colega Rogério Queiroz, coordenador do Cesau, que “tem pouco tempo na área mas vem revelando de modo contundente sua capacidade e sensibilidade” conseguindo manter o MP como referência na área de saúde, substituindo com mérito a antecessora Itana Viana, que se aposentou recentemente. “Conectado com a realidade, Rogério percebe as limitações e as reais realidades do que pode ser feito nessa área tão fundamental para a cidadania.”
Maria Pilar Maquieira falou sobre o programa do MP, que foi incorporado ao seu Plano Estratégico, vem obtendo bons resultados e já começou a ser implementado em Salvador, deixando claro que a sociedade civil deve se empoderar em seus municípios, buscando saber o direito que tem, o que é de lei e o que pode ser exigido para melhorar as escolas e os postos de saúde. Já há registros de esforços governamentais, mudança de postura de gestores, dos profissionais da área de saúde e da comunidade das escolas, revelou ela. No evento, relatos de casos práticos estiveram em evidência e muitos subsídios foram expostos para discussão nos municípios, como dificuldades enfrentadas no combate e prevenção de doenças.
Além de Alcina Andrade também participaram de painéis Amanda Menegola Blauth, representando a diretoria de Atenção Básica do Estado; o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb), José Abelardo Garcia de Meneses, e a presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren), Maria Luísa de Castro Almeida. O seminário foi encerrado pelo promotor de Justiça Clodoaldo Silva da Anunciação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.